FUTURO

BRUNO COUTO

BRUNO COUTO, UM CRAQUE NA FUSÃO DE ESTILOS MUSICAIS

11 de maio de 2015

Comunicólogo, diretor musical, arranjador, compositor, guitarrista e cantor, gravou cinco discos autorais e três coletâneas. Tocou em shows de Flávio Renegado, Raquel Coutinho e Mamour Ba, e produziu inúmeros CDs e DVDs. Bruno Couto é o idealizador do Festival Movimento Difusor, com artistas e bandas que fazem a fusão da música regional brasileira com a música universal, e que estará em maio no Oi Futuro.

OF. O que o levou a criar o projeto Movimento Difusor?

BC. A necessidade de utilizar um festival de música como mecanismo de comunicação e expressão, para fortalecer e reconhecer movimentos, linguagens e gêneros musicais genuinamente brasileiros, nascidos da fusão da música regional brasileira com a música universal; propondo encontros musicais com artistas em comum de Minas Gerais e de outros estados do Brasil.

OF. Como você avalia a atual fusão da música regional brasileira com a música universal?

BC. O Brasil é um país muito rico musicalmente, cada estado tem uma identidade cultural própria e peculiar em suas tradições. A mistura de raças e gêneros está no nosso DNA, o povo brasileiro é formado por essas misturas. No país, temos um vasto legado de expressivos movimentos, estilos ou linguagens de fusão da música regional brasileira com a música universal, como a Bossa Nova, Tropicália, Clube da Esquina, Samba-Rock, Samba-Funk, Samba-Reggae, Manguebeat, entre outros, de vários lugares do Brasil. A atual cena musical do Pará, que mistura Carimbó, Guitarrada, Tecno-Brega, Merengue e Zouk, apresenta expressivos artistas como Felipe Cordeiro, Gaby Amarantos e Lia Sophia, que fortalecem a diversidade cultural da música popular brasileira.

OF. Na sua opinião, o que é preciso para que um artista ligado à música, seja ele cantor, compositor ou instrumentista, atinja o sucesso?

BC. Muito trabalho e a cada trabalho evoluir, fazer algo que acredita, com desejo e vontade. Apresentar de forma verdadeira e com potencial máximo, de acordo com condições e ferramentas, interagir com outros músicos e artistas, colocar as ideias em prática e evoluir sempre.