FUTURO

capim-seco_foto-diana-gandra-1

CAPIM SECO REALIZA SHOW EM SOLIDARIEDADE À OCUPAÇÃO ELIANA SILVA

20 de dezembro de 2013

O espetáculo contará com participações especiais e terá a renda de bilheteria destinada a compra de materiais para construção de creche.

Em sua última apresentação no ano, o Grupo Capim Seco realiza nesta sexta (20), no teatro Oi Futuro Klauss Vianna, um grande encontro musical para apoiar a construção da creche Tia Carminha, localizada na Ocupação Urbana Eliana Silva. Participam desta iniciativa o compositor Gustavito, a também compositora Brisa Marques, o percussionista Camilo Gan e a violinista Nath Rodrigues. Toda a verba arrecadada com a venda de ingressos será revertida na compra de materiais para creche. Também serão arrecadados brinquedos, novos ou usados, para o natal das crianças da ocupação.

Grande parte das famílias são compostas por mães solteiras, que sem ter onde deixar seus filhos, sobrevivem apenas com benefícios do governo. A efetivação da creche dará a estas mulheres condições para trabalharem e buscarem a sua independência financeira, além de garantir a convivência comunitária de seus filhos em um ambiente seguro.

Serão 60 famílias diretamente beneficiadas e cerca de 250 famílias que contarão com um espaço para participação em oficinas, cursos e atividades de lazer. São 25 crianças de 2 a 6 anos em período integral (7h às 19h), 10 crianças de 0 a 2 anos em período integral, 25 crianças de 2 a 6 anos em período noturno (19h às 22h) e 10 crianças de 0 a 2 anos em período noturno.

 

O show

O Capim Seco apresentará canções do álbum “Semba”, disco autoral marcado pela diversidade musical do grupo, onde o samba é permeado pelo baião, pela poesia, pelo congado mineiro e até por uma atitude rock and roll. Este ano “Semba” concorreu na 24a edição do Prêmio da Música Brasileira na categoria “Melhor Grupo de Samba”.

Curiosamente, foi a cena do rock independente de Belo Horizonte possibilitou ao Capim Seco a circulação do seu trabalho autoral, o que culminou na gravação de “Semba”. O grupo participou do Grito Rock BH – 2010; tocou nos redutos do indie-rock da capital mineira como o Matriz e foi a primeira banda de samba a se apresentar na Obra. Gerou controvérsias entre os roqueiros, mas ingressou para o circuito da música independente.

Originalmente formado em trio, o Capim Seco surgiu em 2003 e tocava releituras de nomes da MPB, como Edu Lobo. A noite belo-horizontina aos poucos deu lugar às apresentações em grandes festivais como o Conexão Vivo e a Virada Cultural Paulista. Hoje o septeto é formado por Gabriel Goulart (violão de 7), Luiz Lobo (bateria), Tiago Ramos (sax), Fábio Martins (percussão), Alexis Martins (baixo), Juventino Dias (trompete) e Michelle Andreazzi (voz).

Como esta apresentação tem um motivo humanitário, o grupo convidou artistas igualmente interessados em dedicar suas artes para dar visibilidade à questões sociais.

O músico e compositor Gustavo Amaral, o Gustavito, já teria pelo nome de seu primeiro disco, “Só o Amor Constrói”, participação certa nesta iniciativa. O amor pela cultura popular brasileira é a marca de suas composições. Atualmente tem se dedicado à consolidação do Espaço Luiz Estrela, fruto da ocupação artística em prédio público abandonado.

A compositora e poetisa Brisa Marques, integrante do projeto “Elas de Minas”, ação que divulga a produção artística de cantoras e compositoras de Minas pelo país, também apresenta quadro televisivo na Rede Minas dedicado à prática de esportes por pessoas portadoras de necessidades físicas especiais.

O percussionista Camilo Gan é um embaixador da cultura afro-brasileira. Por meio do projeto “Samba da Meia Noite, realizado embaixo do Viaduto de Santa Tereza, trás para cena urbana as danças e os batuques vigorosos do Candomblé, cantando as histórias de entidades como Zé Pretinho, caboclos e boiadeiros.

Jovem e talentosa, a violinista Nath Rodrigues já integrou a Orquestra Sinfônica Jovem do Palácio das Artes, é ganhadora da última edição do Prêmio BDMG Jovem Instrumentista e integrante do elenco do espetáculo Clara Negra, da Cia. Burlantins de teatro. Já acompanhou artistas como Maurício Tizumba, Vitor Santana e Sérgio Pererê. Nas horas vagas leva espontaneamente sua música aos passageiros do metrô.

 

A realização deste espetáculo conta com o apoio do Oi Futuro, pitanca.cc e Primata Filmes