FUTURO

NELSON_MOTTA[1]

OI FUTURO ENTREVISTA: NELSON MOTTA

1 de abril de 2013

No mês de abril, o Oi Futuro entrevista Nelson Motta, produtor musical, jornalista, escritor e idealizador do Festival Sonoridades.

O nome é uma referência cultural. Paulista, mas radicado no Rio, desde os seis anos de idade, já na década de 1960  mostrava seu talento na cena carioca: com “Saveiros”, ao lado de Dori e Nana Caymmi, venceu a fase nacional do I Festival Internacional da Canção. Participou dos grandes momentos da história da música, como a Bossa Nova e a Tropicália, e contribuiu para o sucesso do rock brasileiro. Lançou artistas, como Marisa Monte, idealizou e formatou programas com Chico e Caetano, fez palestras em universidades como Harvard (EUA) e Oxford (Inglaterra), Roma, Madri e em boa parte das capitais do Brasil.  Autor de mais de 300 músicas, contabiliza parcerias com Lulu Santos, Rita Lee, Ed Motta, Guilherme Arantes, Marcos Valle e Guinga, entre outros. Escreveu os best-sellers ”Noites Tropicais” e “Vale Tudo – O som e a fúria de Tim Maia”, que, juntos, venderam mais de 300 mil cópias. Seus romances “Ao Som do Mar e à Luz do Céu Profundo”, “O Canto da Sereia” e “Bandidos e Mocinhas”, além do livro de histórias “Força Estranha”, que mistura ficção e realidade, permaneceram na lista dos livros mais vendidos por semanas. O estilo Nelson Motta também está presente na imprensa, através de artigos em revistas, e em jornais como O Globo e programas de TV. E, quando se fala em produção de shows, é imbatível. Daí o sucesso da série “Sonoridades”, que chega pela terceira vez ao Oi Futuro em Ipanema, promovendo encontros musicais inéditos entre estilos e gerações.

 

OF. Entre a literatura, a crítica, a letra de uma canção, um roteiro. O que mais lhe atrai?

NM. São gostos diferentes, prato principal, entradas, banquete, sobremesa, lanche, junk food, são sabores diferentes para a cabeça, gosto de todos, mas meu favorito é ler um bom livro porque voce imagina todos os personagens sons e cenários e se torna co-autor, já na música, teatro, cinema, nós recebemos e não participamos, mas tambem é ótimo. Agora, para fazer o melhor tambem é o livro, que voce não depende de ninguem, só da tela em branco do computador e de sua imaginação.

 

OF. Você apostou em cantores/cantoras, que acabaram estourando na cena musical. Poucos têm essa sensibilidade. Qual o segredo?

NM. Não tem segredo, 45 anos de experiencia e alguma intuição desenvolvida ao longo de erros e acertos. Mas na verdade, ouço meu coração, através do meu ouvido e dos meus olhos.

 

OF. Como surgiu a ideia do Sonoridades?

NM. Dessa vontade permanente – e bastante juvenil – de contar aos amigos as novidades musicais que me entusiasmam, ver novos talentos florecerem sempre foi uma grande prazer e alegria para mim.

 

OF. Por que escolheu o Oi Futuro para sediar a série?

NM. Pelo espaço maravilhoso, intimista, aconchegante, coisa mesmo de turma de amigos. Ouvir o volume e o peso de uma Gaby Amarantos numa sala de 120 lugares foi sensacional, estremeceu o prédio.

 

OF. Depois de tantos livros publicados, projetos de música bem sucedidos, composições que se eternizaram na MPB, artigos na imprensa e programas na TV,  o que podemos esperar de Nelson Motta em 2013?

NM. Dois musicais de teatro, “Elis Regina” e “Dancin’Days”, com Charles Moeller e Claudio Botelho, o roteiro do filme “Elis”, de Hugo Prata, o filme “Tim Maia”, dirigido por Mauro Lima, o livro “Resenha Esportiva”, Ed. Saraiva, lançamento em julho, com crônicas sobre Copas do Mundo, Olimpíadas que escrevi ao longo de 40 anos de aventuras esportivas.

 

Curtiu? Não perca a próxima entrevista, com Mário Nascimento.

Confira também, as entrevista com Heloísa Buarque de Holanda e Francisco Bosco.