FUTURO

20140113NS0005.CR2

OS MÚLTIPLOS TALENTOS DE FRED PAULINO

28 de maio de 2014

Artista visual e designer, formado em Ciência da Computação e pós-graduado em Arte Contemporânea na Escola Guignard (UEMG), Fred Paulino apresenta a exposição “Gambiólogos 2.0”, no Oi Futuro, com 40 obras de 30 artistas, e analisa o conceito da Gambiologia, uma “ciência da gambiarra”, conforme o próprio neologismo sugere.

 

OF. Quais as suas principais vertentes, como artista? Dê um panorama geral de seu trabalho.

 

FP. Eu produzo em plataformas diversas, desde mídias digitais, circuitos eletrônicos, até artes gráficas, ilustração, escultura, dependendo do meu desejo na época ou do projeto a ser realizado. Devido à minha formação em Ciência da Computação, comecei trabalhando especialmente com net.art, mas de certa forma fui fazendo um percurso inverso em relação à tecnologia. Cada vez mais tento me aproximar de processos manuais e mais precários de produção, e em grande medida a Gambiologia é resultado disso. Trata-se de um projeto criativo integrado com várias linhas de atuação, pessoais e coletivas.

 

OF. Como surgiu a ideia de realizar “Gambiólogos”?

 

FP. A primeira edição da mostra, em 2010, surgiu a partir de um desejo de ampliar as discussões em torno da Gambiologia, trocando experiências com artistas cuja produção eu reconhecia como similar à nossa, do Coletivo (que integro junto com o Ganso e o Lucas Mafra). Minha vontade sempre foi de entender e divulgar esse conceito como um direcionamento estético aberto e compartilhado por vários artistas e designers, e não ligado unicamente à nossa produção própria. Nesse sentido, a exposição foi bem efetiva, não só para estabelecermos esse intercâmbio criativo, mas para o próprio entendimento do que estamos produzindo freneticamente desde 2008.

 

OF. Qual  o conceito da mostra e como você define “Gambiologia”?

 

FP. Gambiologia é, conforme o próprio neologismo sugere, uma “ciência da gambiarra”. A ideia é reconhecer essa habilidade de improvisação que surge espontaneamente do “cidadão comum” – especialmente em países com certa escassez de recursos para as camadas mais pobres da população – como um diferencial criativo e, por que não, estético. A Gambiologia seria, dessa forma, o uso intencional dessas soluções precárias em obras de arte e design, agregando de forma natural questões contemporâneas como o reaproveitamento, a sustentabilidade, o faça-você-mesmo e questionando o próprio uso da tecnologia. O conceito da Gambiólogos é exatamente apresentar obras, em um formato meio de “feira de ciências”, que dialoguem com esses apontamentos. Buscamos trabalhos que, para além do seu inquestionável valor estético e das tecnologias que utilizem, evoquem no público o reconhecimento espontâneo de um imaginário visual que não dependa necessariamente de um background em artes plásticas.

 

OF. Fale um pouco sobre as obras, ou seja, o que o público vai encontrar de mais interessante na mostra apresentada no Oi Futuro?

 

FP. Teremos aproximadamente 30 artistas com um total de 40 obras. A mostra se inicia com uma “ocupação” do Coletivo Gambiologia em formato de oficina aberta, um work-in-progress que será construído por nós dia após dia, durante os dois meses de duração da exposição. Seguindo a ideia da primeira edição de não contarmos somente com artistas brasileiros mas também “gambiólogos” gringos, há trabalhos bem interessantes vindos dos EUA, Japão e Reino Unido – no caso deste último, um pássaro interativo feito com sucatas de celular pela dupla Anthony Goh e Neil Mendoza. Do Brasil, repetiremos a participação de alguns participantes de 2010, como Paulo Nenflídio com sua “Máquina do Trovão”, Mariana Manhães, Guto Lacaz e Fernando Rabelo, entre outros, além de participações novas como do Chelpa Ferro, Marepe, Cao Guimarães, Lucas Bambozzi, Sara Ramo, Dirceu Maués e do franco-brasileiro Zaven Paré, entre outros mais. Nossa “cereja do bolo” será a apresentação de trabalhos do Farnese de Andrade e Bispo do Rosário, clássicos da arte brasileira que são inspirações importantes para nós, gambiólogos do século XXI.

 

OF. Algum novo projeto para esse ano?

 

FP. Este ano ainda lançaremos duas edições da Facta, nossa revista de Gambiologia, estamos em breve inaugurando uma loja virtual no gambiologia.net e estamos iniciando a concepção de uma série de TV, que pretendemos estreiar em 2015.