FUTURO

20181114MD0305

Projeto “Moradores” lança curta-metragem sobre memórias afetivas da Rua Dois de Dezembro

29 de novembro de 2018

Mais de 100 pessoas foram fotografadas e contaram um pouco de suas histórias durante três dias, numa tenda montada na Dois de Dezembro, rua onde está localizado o Centro Cultural Oi Futuro, prédio histórico que funcionava o Museu do Telefone. Essa ação faz parte do Projeto Moradores – A Humanidade do Patrimônio, um movimento de ocupação urbana pela valorização da identidade cultural e da memória dos moradores como sendo o maior patrimônio que uma cidade ou um território pode ter. Une Fotografia, Audiovisual, Literatura e Contação de Histórias.

Ferreira, o porteiro do 78. Dona Generosa, do salão de beleza. Edeunice, a síndica e ex-telefonista. Luís Sérgio, morador do 137. A fadinha Helena, da loja de objetos exotéricos. Maza, o cantor de rua. Seu Artur do frete. O garotinho César “Radical”. Seu Sílvio e Alda, os vendedores de livros. Joseph, o “vereador” da Dois de Dezembro. Estes e dezenas de outros moradores, trabalhadores e frequentadores desta rua próxima ao Largo do Machado passaram pela tenda, foram fotografados e tiveram suas histórias registradas.

O resultado será apresentado nesta sexta-feira (30/11), numa grande celebração. De 10h às 19h, será um montado um varal fotográfico, onde cada um poderá retirar o seu retrato. Já às 20h, nos muros da esquina das ruas Dois de Dezembro e Catete, será exibido o filme curta-metragem produzido a partir das histórias e memórias contadas na tenda.

“A nossa intenção foi provocar essas pessoas. Fazer com quem contasse sua relação com a rua e ao mesmo tempo, se escutassem, para que de alguma forma, se reconhecessem como patrimônio cultural desse importante pedaço histórico da cidade do Rio de Janeiro”, explica o escritor Gustavo Nolasco, autor do projeto ao lado dos fotógrafos Bruno Magalhães e Marcus Desimoni e do diretor Alexandre Baxter.

O projeto Moradores foi criado em 2012 pelo coletivo mineiro NITRO Histórias Visuais. Já passou por cinco estados, 18 cidades (entre elas, Paraty/RJ) e registrou a história de aproximadamente 3.000 pessoas. Foi reconhecido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) como uma ação de sucesso em Educação Patrimonial. A ação na Rua Dois Dezembro contou com a participação especial da roteirista carioca Angélica Paulo e dos pesquisadores Alex Venâncio, Mateus Rubim e Paula Trocado, todos integrantes do Grupo Museologia Experimental e Imagem (MEI), da UniRio.