FUTURO

tempo_festival das artes

TEMPO FESTIVAL – OLHARES INQUIETOS SOBRE O TEMPO E SUAS PERSPECTIVAS

13 de novembro de 2013

Tudo começou a partir do ideário de três criadores:

Bia Junqueira - artista, curadora e empresária cultural. Seu trabalho percorre o audiovisual, as artes cênicas e as artes visuais. Sócia fundadora da Arquitetura do Efêmero, é também jurada do prêmio Shell.
César Augusto – ator, diretor, fundador da Cia dos Atores. Curador do Galpão Gamboa e do Câmbio no Teatro Café Pequeno. Dirigiu várias peças, e entre as mais recentes estão “LaborAtorial”, “Médico e o Monstro”, e “Talvez”.
Márcia Dias – gestora, consultora e curadora, fundou a Buenos Dias que realiza projetos nacionais e internacionais nas áreas de artes cênicas e música. Seu mais novo empreendimento é o WebCultural, um sistema para gestão de empresa e projetos culturais.

Eles apresentaram à cidade do Rio de Janeiro um festival internacional diferenciado em seu conceito e objetivos, e que promove um diálogo constante entre as artes. Um espaço amplo, com foco no processo de criação, em sintonia com o público e com a participação de artistas, filósofos, cientistas, poetas, pensadores, entre outros representantes da atualidade. Bia, César e Márcia, diretores e curadores do TEMPO_FESTIVAL, fazem um breve balanço do projeto, e contam como será a programação no Oi Futuro Flamengo, mais uma vez, um dos palcos do evento.

 

OI. O TEMPO _FESTIVAL chega à sua quarta edição, reunindo inúmeras atrações entre teatro, dança e performances. Como surgiu a ideia de criar este evento?

BJ, CA e MD. O TEMPO_FESTIVAL surgiu a partir da ideia de se ter um festival que crie parâmetros e referências para a contemporaneidade nos diferentes segmentos artísticos – teatro, performance, dança, artes visuais, música e, principalmente, seus entrelaçamentos criativos. E simultaneamente, procuramos desenvolver uma programação que sustente as ideias que permeiam o campo da criação e seus questionamentos. Assim, tanto os espectadores, interessado no processo de criação, quanto artistas, afinados com as questões da atualidade e seus paradigmas, podem esperar do TEMPO_FESTIVAL uma programação que possibilite o encontro de novas ideias e perspectivas sobre a criação e a produção nacional e internacional.

OF. Quais os objetivos desse projeto, que acabou ganhando as ruas e dialogando com o cotidiano do público?

BJ, CA e MD. Uma de nossas ideias primordiais é fazer com que a Arte, a Cena, esteja sempre em contato com o publico, com o transeunte e isso, de maneira inspiradora, interfira no seu cotidiano, nos afazeres do dia a dia, que sempre merece ser inspirador. A vida sem arte se torna monótona, pouco interessante… Neste ano, como teremos um foco especial na produção espanhola, trabalhos de grupos espanhóis serão apresentados em ruas e praças do Rio de Janeiro.

OF. Como acontece o processo criativo do Festival?

BJ, CA e MD. É um processo longo e, sim, contínuo para não dizer interminável. Já estamos estruturando a nossa programação para 2014 e 2015. São muitas parcerias, viagens curatoriais, acompanhamento de processos e projetos ainda embrionários. Por isso, é muito estimulante e desafiador, apesar dos percalços orçamentários que enfrentamos a cada ano.

OF. Vocês assinam a direção e a curadoria. Existe alguma atuação específica de cada um ou trata-se de um trabalho basicamente em conjunto?

BJ, CA e MD. Há setores onde cada um tem uma responsabilidade mais contundente, mas trabalhamos no famoso “tudoaomesmotempoagora”. A cada ano que passa, aprendemos um pouco mais a delegar as questões pertinentes a cada área fundamental para construirmos um trabalho eficiente. Para isso, uma equipe competente e harmônica é fundamental.

OI. O que podemos esperar dos espetáculos no Oi Futuro em 2013? Alguma surpresa?

BJ, CA e MD. Alguns destaques da programação estarão no Oi Futuro/ Flamengo. Prestem atenção em “Coelho Branco Coelho Vermelho” um texto necessário para o momento atual, recheado de humor, emoção e escolhas que assolam o ser humano. Também apresentaremos o espetáculo ENTOMO, do grupo espanhol EA&AE, que também apresentará este trabalho no Largo do Machado, uma obra especialíssima.