FUTURO

Agentes Quilombolas

Vale do Jequitinhonha terá rota turística para conhecer as comunidades quilombolas a partir de outubro

 

Projeto apoiado pelo Oi Futuro quer mostrar a cultura das comunidades visitantes de todo o país

 

Em outubro de 2015, Minas Gerais ganhou mais um roteiro turístico: a “Rota dos Quilombos” do Médio Jequitinhonha, projeto desenvolvido pelo projeto Agentes Quilombolas Ambientais, apoiado desde 2011 pelo Programa Oi Novos Brasis, do Oi Futuro, que promove ações de sustentabilidade em todo o país.

O projeto  capacitou integrantes de 10 comunidades quilombolas dos municípios de Minas Novas, Chapada do Norte e Berilo, em Minas Gerais, para receber visitantes interessados em conhecer o modo de vida, as manifestações culturais, a comida e o artesanato dessas comunidades que mantêm ao longo dos anos características próprias.

A rota é composta de centros de encontros da população local como mercados municipais e feiras livres, edificações tradicionais como igrejas e antigos casarões, paradas para degustação de comidas típicas preparadas e servidas nas casas dos membros das comunidades. Apresentações de grupos folclóricos e artesões locais também fazem parte da programação. A Rota dos Quilombos percorre as cidades/comunidades de Berilo, Córrego do Rocha, Chapada do Norte, Gravatá Quebra Bateia, Macuco e Minas Novas.

Rota dos Quilombos

O propósito inicial do projeto foi o de capacitar jovens das comunidades, dando enfoque à valorização cultural, fortalecimento da identidade quilombola, educação ambiental e construção do plano de vida e carreira do grupo. A partir de pesquisa realizada durante a primeira etapa do projeto identificou-se a potencialidade da região para a atividade turística, uma vez que os municípios abrangidos já eram participantes dos Circuitos Turísticos das Pedras Preciosas e do Lago de Irapé. Constatou-se, também, que eles necessitavam ainda de apoio para maior capacitação e gestão, sendo fundamental a participação das prefeituras locais para tornar a atividade turística efetiva e realmente propulsora de desenvolvimento local. Daí nasceu a “Rota dos Quilombos do Médio Jequitinhonha”.

O trabalho de capacitação começou há dois anos, e agora os quilombolas preparam-se para por em prática o que aprenderam.  A primeira iniciativa acontecerá no final do mês de outubro, com a promoção de uma visita técnica a algumas das comunidades que participam do projeto. A caravana que será integrada por formadores de opinião, representantes de órgãos públicos ligados ao terceiro setor e ao turismo, entre outros, percorrerá as cidades/comunidades de Berilo, Córrego do Rocha, Chapada do Norte, Gravatá Quebra Bateia, Macuco e Minas Novas.

A historiadora Agda Moreira, coordenadora executiva do projeto, diz que, além da possibilidade de geração de novas fontes de renda para as comunidades envolvidas, a Rota dos Quilombos busca desfazer a imagem de que o Jequitinhonha é uma região marcada pela pobreza, e dar maior visibilidade aos quilombolas.  “As pessoas têm uma idéia equivocada do que é o Vale do Jequitinhonha, o associam apenas à pobreza quando, na verdade, existe uma população pujante na região”, diz Agda. “Há muita beleza e diversidade que precisa ser descoberta”. Quanto aos quilombolas, ela diz que o poder público precisa demonstrar mais interesse por essas comunidades. “Eles carecem de infraestrutura básica”, afirma. “Temos como meta atrair principalmente o turismo pedagógico (alunos de universidades, por exemplo) e o solidário, que levarão a discussão para as salas de aula e para órgãos e entidades com poder de decisão. A união de todas essas forças podem contribuir para mudar e melhorar a situação dessas comunidades quilombolas”.

Desenvolvido pelo Centro de Documentação Eloy Ferreira da Silva, uma ONG que atua desde 2003 em comunidades quilombolas, o projeto tem como objetivo promover o desenvolvimento do turismo nas comunidades quilombolas como forma de proporcionar uma alternativa para geração de trabalho e renda diante do fim do trabalho sazonal que atinge as comunidades e estimular a valorização da cultura quilombola

 

Agentes Quilombolas